valegandara@valegandara.com
+351 231 927 300
        

APLOAD

Espaço do arquiteto com APLOAD LDA – Departamento de Arquitetura Paisagista


A APLOAD Lda., é uma empresa sediada na Maia, distrito do Porto, de dupla valência: Avaliação e Planeamento Social e Arquitetura Paisagista. Esta última tem vindo a destacar-se nas áreas de Ordenamento da Paisagem (Território), Planeamento e, com mais visibilidade, nos Projetos de Espaços Exteriores Urbanos dos mais diversos âmbitos e locais de norte a sul do País.

A APLOAD – Arquitetura Paisagista tem primado desde sempre pela dedicação, empenho, trabalho e profissionalismo no respeito pelas condicionantes técnicas e/ou legais, mas sempre exponenciando as aptidões e potencialidades do território, do espaço, e a necessidade de uma interpretação consistente.
Os projetos da APLOAD regem-se por essa visão basilar, assumindo que as intervenções no espaço exterior serão sempre o resultado esteticamente agradável fruto da interação de um conjunto relativamente complexo de variáveis. As intervenções assentam em 3 fortes pilares indissociáveis: as ciências da natureza, como base geral da interpretação de sistema dinâmico; as ciências sociais e humanas como forma de bem servir os que usam um dado espaço; e as artes, como forma de comunicar e apresentar a solução para cada espaço. A APLOAD acredita ser desta visão holística, integrada e consciente que tem advindo o seu sucesso e a sua manutenção no mercado, mesmo em períodos mais conturbados para o setor.

Breve enquadramento e conceito do Projeto

Em 1905 foi construída na Rua de Anselmo Braamcamp, nº 119, no Porto, a “Antiga Fábrica de Chapéus”. Um edifico com um só piso. Mais tarde, em 1926, a fábrica de Chapéus foi demolida e substituída pela “Grande Fábrica de Calçado - Atlas” com as características volumétricas que ainda hoje lhe conhecemos. Em 1967 o espaço deixa a sua anterior função e passa a estar ao serviço da Sociedade Nacional de Sabões.
A APLOAD Lda. - Departamento de Arquitetura Paisagista, coordenado pela Arq. Paisagista Luísa Almendra Roque, inicia o seu trabalho neste carismático “lugar” nos finais de 2016. Aí desenvolveu, por solicitação do atual proprietário, a Braamcamp 119 - Projetos e Investimentos SA., o Projeto de Arquitetura Paisagista que se pretendia de destaque e diferenciado. O atual adquirente tinha subjacente à intervenção arquitetónica, a salvaguarda da identidade e história do local, uma perspetiva de recuperação e respeito pela volumetria e traços arquitetónicos e estruturais, e procede a uma reconversão de usos transformando o espaço num Centro de Escritórios designado. Os espaços de cariz comercial/industrial são apenas um dos exemplos das áreas de intervenção que permitem à APLOAD – Arquitetura Paisagista articular a estreita relação entre a história do lugar e do seu “Genius loci” com um uso atual, uma linguagem e imagem contemporâneas. É a reconversão de um desses espaços impregnado de história, com carácter próprio muito vincado mas em estado extremo de abandono e degradação (e, por isso, em nada dignificando a sua história e o espaço urbano de que faz parte) que aqui vos deixamos hoje. O projeto revelou-se desde logo muito atrativo no mercado, estando atualmente ocupado, na íntegra pela startup portuguesa, a Talkdesk, com sede em São Francisco, que aqui viu garantidas todas as condições de instalação para o seu escritório, no Porto.
Não queremos deixar de destacar que este fantástico trabalho de equipa, a Braamcamp 119, foi, em setembro de 2020, galardoada com PRÉMIO NACIONAL DE REABILITAÇÃO URBANA | 2020, na categoria de Comércio e Serviços.

Quais foram os maiores desafios na conceção do projeto?

A APLOAD – Arquitetura Paisagista desenvolveu um projeto que se pretendeu conciliador de todas as condicionantes existentes: arquitetónicas, técnicas, legais e funcionais. Tal ambição não resulta sempre fácil, mas crê-se haver conseguido não apenas a minimização dos aspetos menos positivos, como também a enfatização das potencialidades do local e a harmonia estética e funcional, assegurando a sustentabilidade. Este elencar de características fazem com que o espaço se destaque de intervenções congéneres que têm sido levadas a cabo no Centro do Porto. Contudo, além da resposta aos pontos anteriores o maior desafio foi conciliar uma alta permeabilidade da intervenção, diluir o peso da imagem dominante da função de estacionamento e respetivos acessos e ainda atingir um espaço verde aprazível. Sendo uma zona maioritariamente pavimentada era necessário encontrar no mercado um material de qualidade, que potenciasse a função/ estética pretendida para a reabilitação urbana em causa. Assim, paralelamente ao desafio do projeto, a APLOAD conseguiu que a Vale da Gândara se associasse como parceira neste desafio e produzisse especificamente para a BRAAMCAMP, 119 um material que, há altura, não fazia parte do seu catálogo, na cor pretendida, para a harmoniosa integração entre o edifício e espaço exterior. Hoje, o Paver Jardim, na cor Cinza Douro faz já parte do catálogo da Vale da Gândara e, a BRAAMCAP 119 ficará marcada como o projeto que lhe deu corpo. Um desafio a três, projetista, dono de obra e fabricante que se revelou uma parceria e opção de sucesso a replicar.

Como se relacionam edifício e espaço envolvente?

A qualidade e sucesso, reconhecidos, desta intervenção, a harmonia entre a Arquitetura e a Arquitetura Paisagista, assentam no respeito pela função dos espaços, que, neste caso particular, se pretendia versátil. Trata-se de um Centro de Escritórios, com capacidade superior a 200 postos de trabalho e com partilha dos espaços comuns. O pressuposto da requalificação assenta numa perspetiva de contemporaneidade, urbanidade e integração ecológica, sendo ambientalmente equilibrada e compatível com as funções. É também um espaço com preocupações de integração humana e social, de conforto, de amenidade, assegurando áreas de sociabilização e convívio. A solução do espaço exterior privado, tendo apenas cerca de 1300m2, congrega áreas de integração e lazer, jardim, circulação, 22 lugares de estacionamento automóvel, de bicicletas, assegurando as melhores normas de design de inclusão, acessibilidades e uma permeabilidade superior a 60%. A unidade entre Edificado e espaço exterior é visível. A permeabilidade, a cor e a disposição e estereotomias conseguidas com a articulação entre o Paver Jardim e o Paver Maciço da vale da Gândara, permitiram a integração plena da intervenção e das diferentes funções conciliadas de forma global entre a Arquitetura e a Arquitetura Paisagista. A qualidade e sucesso desta intervenção devem-se à harmonia entre a Arquitetura e a Arquitetura Paisagista e à conjugação do material cerâmico utilizado.

Qual é o enquadramento da Paver Cerâmico no projeto?

Este é o contexto da história mais recente deste espaço, que depois de sucessivos anos de abandono foi recuperado e requalificado no seu conjunto: edifício e espaço exterior. No âmbito deste último os pavimentos exteriores são na totalidade assegurados por Paver Cerâmico da Vale da Gândara. Desde os percursos pedonais, estacionamentos, aos acessos viários que acabam por se constituir como zonas mistas. A grande maioria das áreas pavimentadas faz-se em recurso ao paver cerâmico perfurado (Paver Jardim) sendo algumas das zonas estritamente pedonais marcadas pelo Paver Maciço, ao centro, que posteriormente se dilui em áreas verdes. A cor Cinza Douro permitiu imprimir ao projeto uma imagem contemporânea e inovadora. A forma como se articularam, combinaram e diluíram os diferentes materiais da Vale da Gândara permitiram definir as diferentes funções pretendidas, unificando o todo como se de um jardim se tratasse, sem que na verdade o seja. Com recurso apenas a dois materiais: o Paver maciço e o Paver jardim, numa só cor, o Cinza-Douro, foi possível assegurar as diferentes funções com recurso apenas a disposições, cadencias e intercalação diversas dos 2 materiais.

A Porque a escolha da Paver Cerâmico?

Vários foram os motivos porque se optou pelo Paver cerâmico. Desde logo a sua estética, solução de fácil integração, articulação, composição e função garantidas pela dupla entre “Paver Maciço ” e “Paver Jardim”, sempre facilmente conciliáveis e versáteis. De grande relevo foi também a questão já referida da pretensão de assegurar uma alta permeabilidade da intervenção e, conjuntamente, o dimensionamento para cargas de trânsito viário vs zonas pedonais.

Da génese das intervenções da APLOAD Lda fazem parte as raízes, a natureza, a terra, o ciclo biológico, os fatores ambientais, a reutilização e, portanto, o facto ser possível recorrer às argilas, um produto natural, com um comportamento fantástico é, para a APLOAD, enquanto projetista uma maior valia. O recurso a materiais de base natural, e que, esteticamente, permitem relacionar o tradicional com o contemporâneo, com uma roupagem diferente, sempre atraiu a APLOAD. Salientam-se ainda aspetos como a durabilidade e a coloração natural, a sua resistência às cargas e aos fatores atmosféricos. Se o facto do piso oferecer bastante atrito, garante o seu uso em segurança também o facto de ser modular apresenta variadíssimas vantagens na sua manutenção, substituição ou reparação. A possibilidade de assentar o pavimento em cama de areia e terra vegetal, permitiu que as juntas e os vazios fossem relvados, o que, no projeto em causa, se revelava de grande imperioso. Em resumo, o conciliar do conjunto de características estéticas, qualidade e resistência do material e a sua versatilidade e permeabilidade são razões mais que suficientes para que a APLOAD – Arquitetura Paisagista, fizesse esta opção.

Fotografias © Ivo Tavares